PROJETO CARNE CARBONO NEUTRO

25 Julho 2017
Author :  

Projeto Carne Carbono Neutro promove um diferencial na pecuária de corte em Minas Gerais.

O uso da Integração Pecuária-Floresta na criação de bovinos de corte para compensação das emissões de metano entérico, um gás de efeito estufa, e o conforto animal são a essência do conceito Carne Carbono Neutro (CCN).

Esse processo é viabilizado pela presença do eucalipto consorciado com pastagens, em que o carbono imobilizado pelas árvores gera um saldo que equilibra as emissões do elemento para a atmosfera decorrentes do metabolismo dos animais. Com isso, tem-se um sistema ambientalmente mais amigável, que aumenta a sustentabilidade da produção e agrega valor à carne.

Em iniciativa apoiada pela Rede de Fomento ILPF, uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) em sistema silvipastoril encontra-se em fase de implantação na Fazenda Lagoa dos Currais, situada no município de Cordisburgo-MG. A URT será utilizada na validação do protocolo CCN.

A ação é resultante de parceria estabelecida entre a Embrapa Gado de Corte, a Embrapa Milho e Sorgo e a Guzerá Marca S. Trata-se da primeira propriedade de Minas Gerais envolvida no âmbito de um projeto nesse tema.

O pesquisador Álvaro Resende, da Embrapa Milho e Sorgo, informou que na etapa inicial, uma equipe da Embrapa esteve na fazenda para realizar a caracterização das pastagens e a avaliação dos estoques de carbono presentes no solo em talhões de pastagem solteira e em sistema silvipastoril com eucalipto-braquiária de quatro anos. "Essas áreas receberão lotes de bovinos para avaliação de desempenho animal nas duas condições, considerando o ganho de peso e atributos de qualidade da carne".

"A produção e o valor nutritivo da forragem serão monitorados ao longo da estadia dos animais nos respectivos talhões. Foi realizado inventário florestal e o mesmo procedimento será repetido ao final do trabalho de acompanhamento, para quantificar o incremento de madeira no período, dado que será usado para estimar o nível de compensação que a presença das árvores proporciona em relação ao metano emitido pelos animais", disse o pesquisador Miguel Gontijo, da Embrapa Milho e Sorgo.

A criação entre árvores também deve oferecer maior conforto térmico aos bovinos pela presença de locais sombreados, dentre outros fatores favoráveis de ambiência. "Espera-se que a comprovação desses e de outros benefícios da pecuária em sistema integrado com floresta proporcione um novo patamar de sustentabilidade e de valorização da carne brasileira, justificando uma possível certificação e concessão do ‘Selo Carne Carbono Neutro' a produtores devidamente auditados e qualificados nessa modalidade de produção diferenciada", ressaltou Gontijo.

Carne Carbono Neutro

O selo Carne Carbono Neutro (CCN) é uma marca-conceito registrada pela Embrapa no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Este selo visa atestar a carne bovina que apresenta seus volumes de emissão de gases de efeito estufa (GEEs), neutralizados durante o processo de produção, pela presença de árvores em sistemas de integração tipo silvipastoril (Pecuária-Floresta, IPF) ou agrossilvipastoril (Lavoura-Pecuária-Floresta, ILPF), por meio de processos produtivos parametrizados e auditados.

Para conhecer mais a marca-conceito CCN, consulte o Documento 210 - Carne Carbono Neutro: um novo conceito para carne sustentável produzida nos trópicos, produzido pela Embrapa Gado de Corte e disponível na série Documentos da Embrapa.

Sandra Brito 

Embrapa Milho e Sorgo

490 Views
Jornal AgroNegócio

Jornal AgroNegócio 12 anos.

Login to post comments
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…