Sistemas agropecuários integrados

28 Julho 2017
Author :  

Sistemas agropecuários integrados favorecem o aumento da produtividade.

Sandra Brito

O Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) é uma forma viável para a recuperação de pastagens e tem como premissa o planejamento das atividades. O sistema permite a rotação das atividades de agricultura, pecuária e floresta, dentro da propriedade rural, de forma harmônica e favorece o aumento da eficiência e da renda na propriedade.

O pesquisador Miguel Marques Gontijo Neto, da Embrapa Milho e Sorgo, de Sete Lagoas, MG, explica que os principais problemas na pecuária são a degradação de pastagens, a falta de alimentos durante o ano, nos períodos da seca, e a diminuição da produtividade por animal e por área. "E a maior causa da degradação é a ausência da adubação de manutenção e o superpastejo", afirma.

Gontijo ressalta que a grande ferramenta para a integração dos sistemas agrícola e pecuário é o cultivo consorciado de lavouras anuais com capins. "A consorciação de culturas anuais como o milho, o sorgo (forrageiro, granífero ou pastejo) ou o milheto com capins são alternativas viáveis para a produção de grãos e forragens tanto em áreas com solo apresentando boa fertilidade como em áreas de pastagens degradadas. Isto proporciona mais forragem para a entressafra, mais forragem das pastagem recuperadas e a produção de palhada para o plantio direto no ciclo seguinte de implantação da lavoura", afirma.

"Os resultados obtidos em propriedades rurais demonstram que a integração lavoura e pecuária é uma alternativa viável economicamente para intensificação da produção, sendo o planejamento fundamental para se evitar um novo ciclo de degradação das pastagens", orienta o pesquisador da Embrapa.

Braquiária em sistemas integrados

A implantação dos sistemas integrados com a Integração Lavoura-Pecuária permite a utilização de recursos naturais, garantindo a sustentabilidade dos sistemas produtivos. O pesquisador Emerson Borghi, da Embrapa Milho e Sorgo, considera que esta é uma questão de grande relevância, porém pouco compreendida em Minas Gerais.

Borghi ressalta que as espécies forrageiras tropicais se adaptam as mais diferentes condições de clima e solo da região central do Brasil. "Em Minas Gerais, a maior parte das pastagens, principalmente as degradadas se baseiam nos gêneros braquiária e panicum. Compreender as estratégias de manejo dessas espécies para fornecimento de forragens nos períodos de outono e primavera e, após o seu uso, proporcionar cobertura morta para o sistema de plantio direto, é relevante e permite benefícios mútuos", afirma.

O pesquisador Robélio Leandro Marchão, da Embrapa Cerrados, explica que quando se fala em braquiárias em sistemas integrados fala-se também em um bom manejo do solo e da qualidade do solo. "O nosso foco, quando a gente pensa em Integração Lavoura-Pecuária, além da questão da viabilidade e de toda e da parte econômica, e o que a gente quer, no final das contas, é recuperar a qualidade do solo, que muitas vezes está comprometida, seja no sistema de pasto convencional ou em uma área de agricultura onde há problemas de sustentabilidade", diz.

Para o pesquisador é preciso considerar os elementos fundamentais para o manejo sustentável do solo tanto para a agricultura quanto para a pecuária e ter como base o conhecimento científico. "Os pilares do manejo sustentável do solo são a correção da acidez superficial, com calagem e gessagem; a qualidade do solo, pois temos que pensar na sustentabilidade em longo prazo; a rotação de culturas e as práticas conservacionistas; e as adubações. Isso tudo tem que ser observado, para que tenhamos uma agricultura produtiva no Estado", explica Marchão.

Ele ressalta que é neste caminho que a Integração trás uma série de benefícios. "Quando a gente fala em atributos de solo, temos que observar que eles são dependentes um do outro. Por isso, para que o manejo de solo seja sustentável, temos que considerar todos os aspectos", afirma.

"Já quando analisamos o papel das braquiárias nos sistemas integrados podemos afirmar que a sustentabilidade do manejo dos solos tropicais está associada com o papel radicular dessas gramíneas. O solo dos cerrados são muito pobres e precisam das espécies forrageiras para manter a qualidade e tornar esses solos cada vez mais produtivos", diz.

Segundo Marchão, os sistemas produtivos integrados buscam promover a intensificação sustentável da agricultura e da pecuária, com o objetivo de aumentar a produtividade, ou seja, aumentar a produção dos componentes sem necessariamente haver uma expansão de área plantada e o aumento dos custos ambientais.

"A intensificação sustentável atende um dos grandes desafios da produção agrícola e busca a segurança alimentar, não só do ponto de vista da quantidade, mas também de qualidade. É uma busca constante para a melhoria do manejo do solo", diz.

Além dessas premissas, a intensificação sustentável busca aumentar a produção nas áreas agrícolas existentes de maneira que proporcione menor pressão ao meio ambiente e não elimine a capacidade de continuar produzindo alimentos no futuro.

186 Views
Jornal AgroNegócio

Jornal AgroNegócio 12 anos.

Login to post comments
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…