Pesquisa desenvolve fertilizante orgânico a partir da biomassa de plantas

19 Setembro 2018
Author :  

Produzido a partir da biomassa aérea (parte da planta que fica para fora da terra) de espécies leguminosas, o N-verde é um fertilizante orgânico vegetal rico em nitrogênio (N) e de fácil aplicação.

Ana Lucia Ferreira

“Ele tem os nutrientes essenciais para as plantas: fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre; e micronutrientes, como boro, ferro, manganês, molibdênio e zinco”, explica o pesquisador Ednaldo Araújo, da Embrapa Agrobiologia (RJ).

Comparado a outros materiais orgânicos, a concentração de nitrogênio no N-verde é elevada: cerca de 4%. Por isso, ele é indicado como uma fonte de adubação nitrogenada.

Estudos científicos mostraram que o fertilizante desenvolvido pelos pesquisadores da Embrapa Agrobiologia reduz as perdas que ocorrem na hora da aplicação na lavoura. Enquanto nos produtos comerciais as perdas por volatização (transformação em gás) chegam a 50%, no N-verde é de no máximo 15%, resultando em economia para o agricultor.

Sabendo que os fertilizantes farelados apresentam limitações quanto à aplicação no campo, não se adequam ao uso em máquinas distribuidoras de adubos e favorecem as perdas de nitrogênio por volatização de amônia, os pesquisadores desenvolveram um produto em forma de grânulos ou pellets.

“A ideia é disponibilizar aos agricultores um fertilizante padronizado quanto aos teores de nutrientes e tamanho das partículas, alta densidade e baixo volume, o que facilita a aplicação na lavoura”, complementa Araújo.

A princípio, o produto foi desenvolvido para aplicação em hortaliças folhosas, onde os testes de campo apontaram para um produto de excelentes resultados. Mas a resposta também foi boa em lavouras de milho e feijão. A expectativa é que ao ser disponibilizado pela indústria, o produto também tenha boa aceitação para aplicação em plantas ornamentais como uma fonte de nitrogênio.

Processo de produção

De acordo com os pesquisadores, para produzir o N-verde é necessário uma leguminosa fixadora de nitrogênio com alta capacidade de gerar matéria orgânica com baixo custo de produção. “Nós procuramos aproveitar dois processos biológicos abundantes na natureza, a fotossíntese e a fixação biológica de nitrogênio, que permitem que se acumule carbono e nitrogênio a partir da biomassa vegetal”, detalha José Guilherme, pesquisador da Embrapa Agrobiologia.

A maioria das plantas leguminosas fixadoras de nitrogênio tem boa concentração de nutrientes e pode ser utilizada para a produção do N-verde. Mas a gliricídia (Gliricidia sepium) é a que vem sendo mais utilizada por ser uma planta perene, que permite poda até quatro vezes ao ano e oferece uma capacidade de produção de biomassa grande, sem altos custos de implantação.

Com um hectare de gliricídia é possível produzir até 6 toneladas de N-verde por ano. Mas essa quantidade pode variar dependendo do espaçamento em que for feito o plantio. “A partir do momento que possuímos a biomassa, nós temos todo um protocolo para produzir o N-verde, que envolve a melhor forma de secar, de moer e até mesmo de produzir os pellets ou os grãos”, pontua Araújo. Após a coleta, a produção do N-verde leva de sete a dez dias.

Uso na agricultura orgânica

Um dos gargalos para a expansão da agricultura orgânica é a falta de nitrogênio. Para suprir a demanda desse nutriente, os agricultores muitas vezes utilizam resíduos agrossilvipastoris, que apresentam cerca de 3% de N, o que é adequado para uso como fertilizante orgânico. Porém, a variação nesse percentual, além de problemas relacionados a contaminantes químicos e biológicos, limita o seu uso.

A falta de padronização aumenta também as incertezas quanto aos resultados da utilização desses produtos. Por isso, um dos resíduos mais difundidos é a torta de mamona, que apresenta aproximadamente 5% de nitrogênio. Mas, nesse caso, o limitante é o valor, superior em cerca de 400% em relação ao custo da ureia, que é o fertilizante nitrogenado mais utilizado na agricultura convencional no Brasil.

Para Ednaldo Araújo, o N-verde pode suprir essa lacuna no mercado e tende a ter seu custo de prateleira menor que produtos similares. “É importante frisar que não se trata de substituir o uso da adubação verde nas culturas, pois mesmo com o uso de espécies adubadoras, é preciso fazer todo manejo e ainda o aporte de nitrogênio. Essa reposição pode ser realizada pelo N-verde”, pontua o pesquisador. Araújo esclarece também que por haver necessidade de grandes áreas para o plantio da leguminosa e de uma fábrica para transformação da biomassa em grãos ou pellets, o N-verde tende a ser um fertilizante produzido por empreendedores por meio de cooperativas ou indústrias.

N-verde X estercos

Uma das principais fontes orgânicas de nitrogênio utilizadas na agricultura convencional é o esterco. Porém nem todo produtor tem animais em sua propriedade, o que dificulta a obtenção do insumo. Para esses agricultores, o N-verde também tende a ser uma boa alternativa, pois além de ter uma concentração bem maior de nitrogênio, não precisa ser compostado e possui risco baixíssimo de contaminação, ao contrário dos estercos.

Testes avançados aferiram a eficiência do produto

Para os estudos de eficiência do N-verde, os pesquisadores fizeram testes avançados com uso de isótopo estável (variante do elemento químico nitrogênio) que funciona como marcador do caminho do nitrogênio, desde a liberação do fertilizante até a absorção pela planta.

Os resultados revelam que a eficiência do N-verde é de 10%, ou seja, de cada 100 quilos colocados na planta, ela absorve 10, no primeiro ciclo, o que é similar aos demais fertilizantes orgânicos. A pesquisa avança agora no estudo para a redução de custos de produção e coleta da biomassa.

Seja na agricultura orgânica, onde o uso de fertilizantes orgânicos vegetais e isentos de contaminantes é uma exigência, ou na agricultura convencional, onde os altos custos limitam o uso de fertilizantes orgânicos, o N-verde pode ser uma alternativa ou um complemento. O pesquisador Ednaldo Araújo enfatiza que um país com dimensões continentais e clima tropical como o Brasil tem uma aptidão natural para produzir biomassa. “E por que não produzir essa biomassa e colocá-la no mercado para suprir a demanda que existe?”, finaliza.

Foto Ana Lucia Ferreira

Embrapa Agrobiologia

711 Views
Jornal AgroNegócio

Jornal AgroNegócio 12 anos.

Login to post comments
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…