Turismo de Aventura

22 Fevereiro 2017
Author :  

De acordo com o Ministério do Turismo, O conceito de Turismo de Aventura fundamenta-se em aspectos que se referem à atividade turística e ao território em relação à motivação do turista,

pressupondo o respeito nas relações institucionais, de mercado, entre os praticantes e com o ambiente. Nesse contexto, define-se que:

Turismo de Aventura compreende os movimentos turísticos decorrentes da prática de atividades de aventura de caráter recreativo e não competitivo.

Estabeleceu-se que o Turismo de Aventura consiste nos movimentos turísticos constituídos pelos deslocamentos e estadas que envolvem a efetivação de atividades tradicionalmente ditas turísticas (hospedagem, alimentação, transporte, recreação e entretenimento, recepção e condução de turistas, operação e agenciamento), as quais só existem em função da prática de atividades de aventura. Entende-se, portanto, que as atividades de aventura, neste caso, também são consideradas turísticas.

A diversidade de práticas de aventura que materializam este segmento varia sob diferentes aspectos, em função dos territórios em que são operadas, dos equipamentos, habilidades e técnicas exigidas em relação aos riscos que podem envolver e da contínua inovação tecnológica. Diante disso, a lista a seguir não se completa, apresentando as mais conhecidas pelo mercado de Turismo de Aventura. Optou-se por agrupá-las utilizando três elementos da natureza (terra, água e ar), com base em normas reconhecidas internacionalmente, cientes de que algumas podem envolver mais de um desses elementos e ocorrer em ambientes diversos, fechados, ao ar livre, em espaços naturais ou construídos.

  1. a) Terra
  • Arvorismo - locomoção por percurso em altura instalado em árvores e outras

estruturas construídas.

  • Atividades ciclísticas - percurso em vias convencionais e não convencionais em bicicletas, também denominadas de cicloturismo
  • Atividades em cavernas - observação e apreciação de ambientes subterrâneos, também conhecidas como caving e espeleoturismo.
  • Atividades eqüestres - percursos em vias convencionais e não convencionais em montaria, também tratadas de turismo equestre.
  • Atividades fora-de-estrada - percursos em vias convencionais e não convencionais, com trechos de difícil acesso, em veículos apropriados. Também denominadas de Turismo Fora-de-Estrada ou off-road
  • Bungue jump - salto com o uso de corda elástica
  • Cachoeirismo - descida em quedas d’água utilizando técnicas verticais, seguindo ou não o curso da água
  • Canionismo - descida em cursos d’água transpondo obstáculos aquáticos ou verticais com a utilização de técnicas verticais. O curso d’água pode ser intermitente.
  • Caminhadas - percursos a pé em itinerário predefinido.

Curta duração - caminhada de um dia. Também conhecida por hiking

Longa duração - caminhada de mais de um dia. Também conhecida por trekking

  • Escalada - ascensão de montanhas, paredes artifi ciais, blocos rochosos utilizando técnicas verticais
  • Montanhismo - caminhada, escalada ou ambos, praticada em ambiente de montanha.
  • Rapel - técnica vertical de descida em corda. Por extensão, nomeiam-se, também, as atividades de descida que utilizam essa técnica.
  • Tirolesa - deslizamento entre dois pontos afastados horizontalmente em desnível, ligados por cabo ou corda.
  1. b) Água
  • Bóia-cross - descida em corredeiras utilizando boias infláveis. Também conhecida como acqua-ride.
  • Canoagem - percurso aquaviário utilizando canoas, caiaques, ducks e remos.
  • Mergulho - imersão profunda ou superficial em ambientes submersos, praticado com ou sem o uso de equipamento especial.
  • Rafting - descida em corredeiras utilizando botes infláveis
  1. c) Ar
  • Asa delta - vôo com aerofólio impulsionado pelo vento.
  • Balonismo - vôo com balão de ar quente e técnicas de dirigibilidade.
  • Parapente - vôo de longa distância com o uso de aerofólio (semelhante a um pára-quedas) impulsionado pelo vento e aberto durante todo o percurso, a partir de determinado desnível.
  • Pára-quedismo - salto em queda livre com o uso de pára-quedas aberto para aterrissagem, normalmente a partir de um avião.
  • Ultraleve - vôo em aeronave motorizada de estrutura simples e leve.

 

Fonte Ministério do Turismo

265 Views
Jornal AgroNegócio

Jornal AgroNegócio 12 anos.

Login to post comments
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…